Começa a temporada de pesca da tainha

Ação é realizada ao longo do litoral dos estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro.

Até o próximo dia 30 de julho, a pesca artesanal e industrial brasileira realiza a pesca da tainha (Mugil platanus).

Ação é realizada ao longo do litoral dos estados de Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro.

A captura ocorre quando os cardumes aproveitam as correntes de água fria provenientes da Antártida para subir o litoral Sul e Sudeste do Brasil, onde se reproduzem e desovam, até à altura de Cabo Frio.

Arrasto de praia

A maioria dos pescadores artesanais captura a espécie através do “arrasto de praia”, uma modalidade de pesca que justifica as “festas da tainha” em diversas localidades costeiras de Santa Catarina.

Neste caso, pequenas canoas a remo levam a rede até no máximo a 800 metros da linha de praia, onde a captura por arrasto é praticada e permitida.

A rede, de aproximadamente 800 metros de comprimento, então é puxada, em seus dois extremos, por um bom número de pescadores e voluntários.

Na praia o botim é dividido fraternalmente, para a alegria de todos. Bem distante dali, a partir de cinco milhas da costa, a tainha é capturada por embarcações industriais, que utilizam o método de cerco.

Tainha

A tainha é um dos recursos pesqueiros mais importantes do litoral dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro.

Atualmente a pesca da tainha concentra-se no período de safra da espécie, por 75 dias (entre 15 de maio e 30 de julho), ao longo da costa das regiões Sul e Sudeste.

A produção de tainha é voltada para o mercado interno. Entretanto, o mais valioso na tainha não é a sua saborosa carne, mas as suas ovas, que são exportadas para países como Taiwan, França, Grécia, Itália e Espanha.

Fonte:
Ministério da Pesca e Aquicultura